21 de janeiro de 2020 por Becomex

ENTREGA DA ECF: QUATRO DICAS ESSENCIAIS

A entrega da ECF (Escritura Contábil Fiscal) e ECD (Escritura Contábil Digital) é obrigatória, mas não é uma tarefa fácil.  Ano após ano, a Receita Federal Brasileira tem ficado mais rigorosa, trazendo validações que buscam a transparência nas informações.

Recentemente, foram feitas importantes alterações na ECF. Para facilitar a entrega, trouxemos aqui os quatro principais pontos de atenção:

JUSTIFICATIVAS DO BLOCO K NA ENTREGA DA ECF          

Na última entrega da ECF foram criados os registros K915 e K935. Com eles, qualquer edição feita diretamente na ECF, em qualquer saldo recuperado automaticamente da ECD, abre uma linha no K para que seja justificado o porquê desta diferença.

Este é um sinal de que as áreas responsáveis pela ECD e pela ECF precisam trabalhar de forma integrada para que as entregas sejam bem sucedidas.

CRUZAMENTO DO REGISTRO L210 ENTRE A ECF E ECD

Até 2017, a Receita Federal brasileira cruzava estas informações, mas não gerava erros, somente advertências. A partir de 2018, com o aprimoramento das validações do PVA, este registro sofreu alterações: agora são gerados erros quando há uma inconsistência entre o informado na ECD, e o informado no registro L210.

Em média, 70 por cento das informações da ECF vêm da ECD. Por isso, é extremamente importante que haja uma sinergia entre os departamentos.

BLOCO M NA ENTREGA DA ECF

Um ponto de atenção é a criação dos códigos padrão de parte B. Além de todos os vínculos já feitos no M300 para as contas da apuração que em algum momento adicionaram ou excluíram, agora para cada conta de parte B será necessário um vínculo no M10.

Ou seja, é preciso uma revisão das classificações com relação ao M300 porque estes códigos são compatíveis entre si.

RELACIONAMENTO TIPO 3 NA ENTREGA DA ECF

Ele não é uma novidade, já existe há alguns anos. Mas, é preciso tem atenção à adoção dos códigos de parte B que vinculam as linhas de adição e linhas de inclusão. O trabalho é mais complexo: é preciso identificar as contas contábeis que trariam rastreabilidade para os códigos de parte B.

É necessário que os critérios contábeis sejam revistos, para que seja possível gerar informações e levar rastreabilidade através das contas contábeis.

Caso precise de ajuda com estes e todos os outros pontos da ECD e da ECF, conte com a Becomex. Conhecemos as normas e podemos garantir entregas bem sucedidas.

Anderson Rodrigo de Souza – gerente de serviços Becomex

Becomex

Veja outros posts!